AL-Noticias

Noticias

Inquietos, Polícia Militar de Alagoas pode aquartelar quarta-feira

Publicado em:    10 abr 2018 às 14:04,    Hugo Leonardo     Última atualização em: abril 10, 2018 às 17:14

Inquietos, Polícia Militar de Alagoas pode aquartelar quarta-feira

Publicado em:    10 abr 2018 às 14:04,    Hugo Leonardo     Última atualização em: abril 10, 2018 às 17:14

Em clima de total inquietação na tropa da PMAL (Polícia Militar de Alagoas), por questões de avanço nas negociações salariais, e outros tópicos da pauta apresentada ao governo, não estarem dando bons frutos, Associação dos Oficiais, que vem a dias intermediando valorização da categoria com o balcão de negociações do Governo Alagoano decidiram realizar Assembléia em frente ao Palácio do Governo de Alagoas na quarta-feria (11). Não tendo saída para a categoria, a situação é de que o aquartelamento aconteça e as operações ostensivas sejam paralisadas.

Na pauta das revindicações apresentadas pela Associação dos Oficiais estão: Salario, ajustes da verba de alimentação e indumentárias (uniformes).

Conversamos com Cel. J. Cláudio, presidente da Associação dos Oficiais,  sobre o caso e perguntamos qual era o clima das negociações com governo do estado, e gentilmente nos respondeu: “O clima é de total inquietação na tropa. Tentamos evitar esse momento por todos os meios e, sobretudo, buscando uma solução para o problema da valorização salarial do militar no balcão de negociação com Governo, infelizmente o processo não evoluiu e prenunciou a tragédia do caos e da insegurança que está por vir com a ausência dos militares nas ruas, mediante um aquartelamento“, alertou.

A Assembleia está agendada para acontecer às 14h do dia 11/04 em frente ao Palácio do Governo. “A responsabilidade única e exclusiva desse momento é do governo pelo abandono e desprestígio dos militares na sua política de valorização salarial, em especial dentro da pasta da SSP. Só estamos cobrando que Gov cumpra a lei da revisão geral e nos trate de maneira isonômica!“, complementou.

Não houve evolução no processo de negociação com o Seplag.

A Secretaria de Planejamento e Gestão,  através do Sec. Fabrício Marques Santos,  recebeu comitiva da Associação dos Oficiais na tarde de segunda-feira (09), mas não houve evolução no processo de negociação. O que houve na verdade, foi a uma explanação técnica e, sob um clima tensão e de protesto de todos os líderes, apresentou uma proposta de garantia da reposição inflacionária do subsídio, no ano de 2019, que na sua perspectiva será em torno de 4% (quatro por cento).

Ainda apresentando dados técnico, foi solicitado que a reposição das perdas inflacionárias atrasadas fosse esquecida, e a não proposta irritou aos militares presente é só acirrou os ânimos da tropa que aguarda uma posição concreta do governo alagoano.

Ninguém torce por uma calamidade no Estado. Todavia, diante do fato de ter sido implantado melhorias salariais dos agentes penitenciários, Civil e Delegados da PC, além do aumento de duodécimos do TC, MP, etc… Indica que há possibilidade financeira do governo para fazer a reposição também aos militares“, afirmou o Cel. J. Cláudio.

Além dos 10,67% do IPCA de 2015, o governo ainda deve aos militares a reposição das verbas de alimentação, uniforme e de unidade especializada, assim como a falta de celeridade do processo de lei de promoção que se encontra na Sepleg desde novembro do ano passado.

A reivindicação dos militares é que os 10,67% referente ao IPCA de 2015 seja garantido para janeiro de 2019 comutativo com os demais IPCAs!

O PORTAL AL-Notícias e seus colaboradores não emitem nenhum comentário para não expressar opinião. Sendo assim comentários emitidos aqui são de inteira responsabilidade de seus autores atendendo assim a nossa Política de Privacidade. É expressamente proibida a emissão de comentários cujo teor contenha palavras de baixo calão que desrespeita a ética moral, a lei e os bons costumes da sociedade. O PORTAL tem autonomia para moderar e repudiar, sem prévio aviso, comentários postados que firam critérios contidos neste aviso.

Não há comentários Vou comentar!

Ainda não há comentários.

Deixe seu comentário